Domingo da ressurreição

Bom, foi uma Páscoa diferente para todos, mas revestida da certeza da alegria que temos em Jesus. O nosso dia amanheceu pelas 6h30 para vermos o nascer do dia e relembrar como terá sido quando as mulheres foram ao sepulcro (dentro do carro, vivemos junto ao mar).

De regresso a casa, o nosso quinto culto nos sofás da nossa casa. As saudades de louvar em família são muitas.

Por último, aquilo a que o país inteiro se rendeu: videochamadas. Cavacos e Oliveiras. Uns falam 1h30, para outros 7 minutos chegam (adivinhem em que grupo me insiro).

Ao deitar, o sentimento crescente de gratidão, no meio deste novo normal:

Meu querido Jesus, obrigado!
Na tua morte temos vida, obrigado!
Não precisamos ter medo, obrigado!
Temos connosco o Espírito, obrigado!
Intercedes por nós junto ao Pai, obrigado!
Um dia veremos a tua face, mal podemos esperar.
Muito, muito obrigado, Senhor Jesus! Obrigado.