38 anos

Há 38 anos, assistia ao parto deste meu irmão, o David. Tinham-me preparado para todos os cenários de dor, sangue e imprevisibilidade. Vi tudo isso e fiquei deslumbrada com o milagre. Cresci a pedir a Deus que me deixasse experimentar semelhante graça. Ele deixou, imaginem. Não mereço.
Este é, ainda hoje, um assunto que me entusiasma ao ponto de sonhar com voltar a assistir a um momento destes. Porque parir é um verbo que rima com sorrir, na minha cabeça infantil.