Num paraíso chamado Alvisquer

Durante a nossa licença sabática, o ano passado, eu e o Tiago falávamos várias vezes de como a expressão “poucos e bons amigos” não se nos aplica. Se dúvidas houvesse, a nossa partida para os EUA mostrou que temos muitos e bons amigos. Isto, além de nos comover, é frequentemente motivo de embaraço: falta-nos tempo para corresponder a tantas e tão boas amizades. Neste padrão repetitivo de não conseguirmos ir ao encontro destas expectativas, seria de esperar que desistissem de nós, com o tempo. Mas não, os nossos amigos insistem em nos amar. Este foi só mais um dia em que comprovámos isso. Um dia cheio de generosidade.