Atenção

Certamente todos teremos histórias para contar acerca de presentes que recebemos que nada tinham que ver connosco. Acertar no gosto, oportunidade e sentido de uma prenda depende sobretudo da nossa atenção perante as preferências ou necessidades de quem a vai receber. Quando recebi este colar em 2010, as minhas amigas não me perguntaram se eu gostava. Pelo contrário, elas tinham a certeza absoluta de que eu iria gostar e aguardaram a minha reacção. “É mesmo a tua cara!” – estas amigas, além de gastarem tempo comigo, gastavam-no ouvindo-me, conhecendo os meus gostos, desejos, frustrações. Elas sabiam que esta prenda seria do meu agrado.

Isto faz-me pensar de como amar é sobretudo dedicar atenção. Procurar conhecer, ouvir, observar fazem o outro sentir-se amado. Não é isso que fazemos quando oferecemos algo? Queremos ver a alegria no rosto de quem recebe.
Dez anos depois, continuo a usar o colar, a lembrar-me do amor que recebo e a querer ser atenta ao meu redor, ver o rosto dos outros iluminado com atenção e um ouvido atento.