Empatia e misericórdia

Até há relativamente pouco tempo, falar em público era uma impossibilidade para mim. Os sintomas físicos que se despoletavam roçavam a incapacidade. Tinha chegado a um momento na vida em que percebia que era chamada a fazê-lo, e tentava encontrar estratégias. Num desses momentos, falei com alguém que achei que me poderia ajudar, explicando o que sentia. A resposta que tive foi: “Não sei o que isso é, sempre fui à frente sem problemas, sem ter de preparar nada, sem ter de escrever. Falo e pronto!”.
Naquele dia, eu senti na pele o que é a total ausência de empatia e misericórdia, fiquei a sentir que realmente o meu problema era absurdo e que a minha cabeça é que dramatizava algo que afinal, era tão simples: era só ir à frente e falar.
A partir de então, as dificuldades dos outros nunca mais me pareceram iguais. Também eu tinha cometido o mesmo erro noutras áreas da vida, perante obstáculos que outros partilhavam e que me pareciam tão simples. “Como assim? Não sei o que isso é” ou “Não entendo as pessoas que…” e outras afirmações.
Percebi que o pior que podemos fazer é avaliar os outros com base na nossa própria experiência, como se estivéssemos acima de dificuldades. Desde então, procuro ter uma abordagem ainda mais cuidadosa. Entre várias coisas:
1. Empatia não é mentir e dizer que sei o que aquela frustração é, quando não sei. Às vezes, a pessoa só quer mesmo ser ouvida. E fico a ouvir. Se me ocorrer, para tentar ajudar, dou um exemplo meu que possa exprimir o mesmo sentimento de frustração e demonstrar companhia nas dificuldades da vida.
2. Não dou conselhos se não me forem pedidos.
3. Quando me pedem ajuda, devolvo com perguntas que ajudem a pensar, para começar. Depois penso em várias hipóteses . Há muitas maneiras de fazer bem a mesma coisa– é o meu lema para princípios que podem ter inúmeras práticas.
4. Prometo que vou orar. E oro.
Por último, procuro palavras que reconheçam qualidades, dons e talentos que reconheçam o que Deus está a fazer na vida desta pessoa, e encorajo-a.

“Consolai-vos, pois, uns aos outros e edificai-vos reciprocamente (…)” 1Tessalonicenses 5:11