Manhã do dia do Senhor

“Ó CRIADOR E SUSTENTADOR DE TODAS AS COISAS,

Dia e noite são teus; e também meus, pois os recebo de ti – a noite para me livrar dos cuidados do dia,
para revigorar o meu corpo cansado,
para renovar as minhas forças;
o dia para me convocar para novos afazeres,
dando-me a oportunidade de te glorificar,
para servir o meu próximo,
para adquirir conhecimento, santidade, vida eterna.

Porém, um dia, acima de todos os outros, é feito especialmente para a tua honra e a minha santificação; o dia do descanso (sabbath) lembra-me do teu descanso aquando da Criação,
lembra-me da ressurreição do meu Salvador,
lembra-me de quando entrou no seu descanso.

A tua casa é minha,
mas eu sou indigno de contigo habitar,
sou inadequado para o teu serviço.
Quando entro na tua casa, achego-me a ti como um pecador,
condenado pela minha consciência e pela tua Palavra,
pois ainda estou no corpo e no deserto,
ignorante, fraco, em perigo,
e necessitado do teu auxílio.

Mas encorajado pela graça que a tudo supre
deixa-me ir à tua casa com a viva esperança de te encontrar,
sabendo que virás ao meu encontro e me darás a paz.

A minha alma é atraída a ti num desejo ansioso pela tua presença no santuário, à mesa,
onde todos são animados num banquete repleto de iguarias; permite-me que, antes de partires os elementos,
emblemas do teu amor até à morte,
eu te implore por graça e perdão com um coração quebrantado.

Anseio pela comunhão feliz do teu povo na tua casa eterna no reino perfeito;
Estes são os que seguem o Cordeiro;
Que eu possa habitar na sua companhia!”

“The Valley of Vision” – tradução livre