Imitação

Cada caminho é único, mesmo quando caminhamos na mesma direcção. E se é verdade que precisamos de ajuda, conselho, observação para prosseguirmos na caminhada, precisamos discernir o que é que faz sentido para nós. Pode acontecer estarmos convictos de um rumo e sermos alertados para o erro que isso pode representar, mas muita coisa nesta vida não se faz de certo ou de errado, mas de motivações certas ou de motivações erradas.

Um dos perigos de se escreverem guias e instruções específicas sobre determinadas áreas é a de as tomarmos como regra. Talvez por isso tantos nomes conhecidos se tornem bíblias e autoridades únicas. Por alguma razão a Bíblia não dá orientações específicas para tanta coisa, porque Deus prevê a liberdade de escolha, é um Deus criativo e actua na vida de cada um de formas distintas e bonitas. A imitação de alguém (como o apóstolo Paulo incentiva) aponta para Cristo. Paulo não está certamente a falar de formas de vestir, comer ou estar, mas de carácter. Fala de amor, paciência, bondade, fala de integridade. Isto é o que devemos imitar. Pegarmos em inspirações e fazermos delas um modelo de vida não funciona, porque a forma não vive sem conteúdo. O conteúdo faz-se de mais do que “copy pastes”, mas de crescimento, alimento na Palavra de Deus e um ego que diminui para deixar o Espírito Santo crescer.