Recordar a graça

A primeira foto é de Março de 2010, no dia em que completei 33 anos.

Estava grávida de 6 meses, tinha uma filha de 5 anos, uma outra de 3 e um rapaz de 2. A gravidez era vivida com percalços (sofri uma condição hepática chamada de colestase gravídica).

Apesar de ter sempre algum filho comigo, nessa altura era necessário irem ao infantário para que eu trabalhasse ao computador como freelancer, e assim tivéssemos o complemento necessário para nos sustentarmos. A cada trabalho que surgia, dava tudo para o acabar e assim garantir um próximo, porque quem trabalha a recibos verdes sabe que o pagamento pode tardar, certo?

Os tempos eram novos e incógnitos por causa da minha condição clínica, mas o sorriso da foto não é fake. Os dias eram bonitos e cheios de coisas novas também.

O bebé nasceu umas boas semanas antes do tempo num parto maravilhoso, com zero complicações, o que me permitiu deixar um trabalho a meio, e retomá-lo dias depois, entre o alívio, a gratidão e uma boa dose de confusão.

A segunda foto é de Maio de 2010, lembrando como Deus foi tão bom em tudo. Não fui eu, ok? Foi a graça de Deus.