Será sempre um mistério escandaloso

Senhor Jesus,

Permanece o mistério, o motivo que te levou a encarnar e ser como um de nós. Tu, sendo o filho de Deus, o Criador do mundo, a Palavra, quiseste ser o Emanuel, Deus connosco. Nunca compreenderemos, Senhor, este caminho anónimo, ingrato, desprezado, humilhado que aceitaste para ti. Tu, sendo Deus, não tiveste por usurpação ser como Deus, mas esvaziaste-te e aceitaste ser um servo, por todos nós.

Nós, os que não merecemos mais do que a morte, que vivíamos reféns da nossa maldade, entregues às nossas invejas, cobiças, egoísmos. Tu foste desprezado por todos nós – e ainda és, tantas vezes – mas amaste-nos em todos os instantes. Desvalorizamos-te mas tu nos valorizas. Vestimo-nos de altivez, e tu nos ofereces novas roupas de justiça e graça.

Quem somos nós, Senhor, para merecer tão grande amor? Quem somos nós para que tenhas levado todas as nossas iniquidades sobre ti? Quem somos nós, Jesus, para que levasses sobre ti a ira do Pai?

Nada somos, Senhor, mas por causa do teu exemplo de obediência, um amor vivido do início ao fim, um amor que não termina, podemos ser tudo.

Obrigada, Jesus.