Direitos das mulheres à luz da Bíblia -3

A palavra submissão tem muito má conotação hoje. “Chega de submissão!” gritam os cartazes políticos. Ninguém quer ser submisso porque isso significa acatar ordens, assim se acha. Aliás, o nosso dicionário define submissão, entre outras coisas, como “acto de quem se sente obrigado a obedecer a uma regra, autoridade”. E submissão, à luz da Bíblia, não é coacção. Por isso é preciso que palavras como esta sejam devolvidas ao seu real significado, em vez de as evitarmos usar, por medo de sermos mal-entendidos. Sub é estar debaixo. Submissão é, por isso, estar debaixo de uma missão. Não é uma posição de fraqueza, pelo contrário, é uma posição de força e de reunir todas as forças para que essa missão se cumpra. Isto aplica-se no casamento, na relação pais-filhos, aplica-se na vida em igreja e aplicou-se da forma mais notável de todas, com a morte de Jesus na cruz. Na carta aos Filipendes lemos que Jesus, sendo Deus, abriu mão dos privilégios divinos – sem por isso deixar de ser Deus – e assumiu o papel mais submisso de todos. Esta passagem, ao revelar a igualdade na Trindade, demonstra a submissão voluntária do filho ao Pai. Em nenhum momento Jesus se tornou inferior a Deus Pai, ao se esvaziar de si mesmo para estar debaixo da missão de morrer pela humanidade. A submissão de que a Bíblia fala é acerca de uma disposição de contribuir para uma missão, não é acerca de aceitar ficar num lugar de inferioridade ou superioridade. Mais à frente, nesse cântico de Filipenses 2 vemos que o Pai exalta o filho, de forma que a que todos reconheçam que o filho é Deus, para a glória do Pai. O exemplo de Jesus desmonta todas as ideias que diversidade de papéis significa hierarquias e níveis diferentes de importância. O filho sujeitou-se ao Pai e o Pai exalta o filho à posição mais elevada. Cada um deseja agradar o outro. Jesus fica debaixo da liderança do Pai de forma desprendida e abnegada, não porque foi coagido pelo Pai, mas porque deseja cumprir a missão. A liderança do Pai é reconhecida por Jesus com prazer, respeito e amor recíprocos.
A submissão é algo que se oferece, não é algo que é forçado. Submissão não é subserviência.